Filmes & Séries

Sobre ir ao cinema sozinha e “Simplesmente Acontece”

19 de março de 2015

cena-de-simplesmente-acontece-1419347482539_956x500

Faz apenas algumas horas que assisti ao filme “Simplesmente Acontece” no cinema e quando postei a foto do bilhete no instagram muitas pessoas pediram para que eu comentasse um pouquinho do filme por lá ou no blog. Até aí ok, mas algumas pessoas me perguntaram também se eu costumo ir ao cinema sozinha (deixaram essa pergunta neste post aqui e neste outro aqui da fanpage) e por esse motivo eu tive vontade de vir aqui conversar um pouquinho com vocês sobre isso de maneira bem informal.

Veja bem, eu gosto de companhia. É sério, geralmente eu prefiro estar acompanhada do meu marido ou de amigos quando saio para passear, comer ou ir ao cinema, mas em certos momentos ou você vai sozinha ou você não vai. E esses momentos são bastante comuns na minha vida para ser sincera, pois meu marido trabalha de escala e minhas amigas e amigos nem sempre estão disponíveis. Eu mesma não costumo estar tão disponível, principalmente durante a semana, por conta da correria de trabalho-casa-blog-canal-pósgraduação-traduções-vida, por isso costumo decidir quase sempre de última hora se vou ou não ao cinema, o que torna ainda mais difícil conseguir companhia.

Resumindo um pouco, eu adoro assistir filmes, adoro cinema e não vou deixar de ir somente por estar sem companhia. Acho que ninguém deveria se privar de fazer coisas que gosta por não ter com quem fazer, na minha concepção quem se priva assim das coisas que gosta só por falta de companhia são pessoas que tem baixa autoestima, não gostam da própria companhia, não conseguem ficar sozinhos consigo mesmos (ou os três). Eu amo ir ao cinema e ir sozinha não estraga a experiência, pelo contrário, vou muito ao cinema sozinha. Mas que fique claro, não estou dizendo que quem não vai ao cinema sozinho ou não faz coisas sozinho, como ir a uma lanchonete ou à praia, tem baixa autoestima ou não se ama o suficiente, estou simplesmente dizendo que quem não faz o que quer por falta de companhia está perdendo tempo e se privando de coisas boas a toa. Ainda assim, para esclarecer, eu adoro um bom e velho drive-thru, quem não adora? Mas quando estou a fim de sair para comer fora ou tomar um sorvete sentadinha em uma lanchonete e não tenho companhia no momento, eu vou sem neura e sem me sentir solitária, vou feliz. Ter esses momentos só para si mesmo faz bem e traz um sentimento gostoso de independência e liberdade. Para quem não costuma fazer isso, recomendo sair consigo mesmo vez ou outra, seja para fazer compras, ir ao cinema, fazer uma caminhada, ir à praia ou tomar um sorvete. Você merece dar-se a esse luxo.

simplesmente acontece

Ok, agora vamos falar um pouquinho sobre “Simplesmente Acontece”, filme adaptado do romance (no original Love, Rosie) de Cecelia Ahern. Anteriormente publicado como ”Onde Terminam os Arco-íris” pela editora Relume Dumará, o romance ganhou novo título pela Editora Novo Conceito. Ambos títulos bem diferentes do original e eu ainda preferiria que tivesse sido traduzido como Com Amor, Rosie. Mas o título da Editora Novo Conceito, apesar de distante do original, ficou satisfatório, considerando o contexto que eu vi no filme, pois não li o livro.

Pois é, não li o livro, já começamos por aí, e as vezes isso é bom. Fui sem nenhuma expectativa, por não conhecer a história, e saí do cinema muito feliz por ter despendido lá aproximadamente 1h40m do meu dia em frente a telona. Infelizmente não vou poder comparar aqui livro x filme para vocês, mas posso dizer como espectadora que o filme agrada muito dentro do gênero Romance e Comédia Romântica. Se o livro é mais voltado para o Drama, como eu ouvi dizer, aí já é outra história, e como vocês já sabem na grande maioria das vezes o livro é melhor do que o filme (Sim, fiquei com vontade de ler o livro). Como Comédia Romântica o filme acertou em cheio em todos os aspectos, personagens muito bem desenvolvidos e complexos, mesmo os coadjuvantes, momentos risadinha, gafes, figurino, linda fotografia, trilha sonora maravilhosa, e protagonista com carinha de Becky Bloom e Bridget Jones, tudo junto. Todo o pacote estava “na dose certa”.

LR1

A princípio eu fiquei com muito medo de que a minha experiência com “Se eu ficar” fosse se repetir, pois o filme parecia ter essa mesma pegada, livro romântico rapidamente adaptado para o cinema, jovens atores, etc., poderia não “colar”, de novo. Graças a Deus isso simplesmente não aconteceu, as coisas se encaixaram, os momentos mais sensíveis foram de verdade emocionantes e me fizeram enxugar lágrimas, as gafes foram mesmo bem engraçadinhas e fofas e todo o cinema riu junto, sem falar da química entre os atores (Lilly Collins e Sam Claflin, uns fofos) que foi muito mais intensa do que 50 Tons de Cinza. Sério, gente. E eles mal deram dois beijos no filme todo. Não é spoiler, calma! Esse é um filme delicado sobre coisas imprevisíveis que acontecem em nossas vidas, as escolhas que fazemos e como lidamos com elas ainda na busca do nosso final feliz. Só tenho uma ressalva: se puderem assistam legendado! A dublagem está bem ruinzinha, só assisti porque não tive outra opção, e já deu pra perceber na própria dublagem que o legendado fará diferença (o que há com esses cinemas que só oferecem dublado, né?). Quem curte um bom romance água com açúcar com uma pegada um pouco mais madura e séria, eis uma excelente escolha. ♥ 

Espero que tenham gostado do texto! Quem já assistiu (e/ou leu o livro) por favor deixe sua opinião nos comentários! 🙂

já viu os relacionados?

Deixe seu comentário

Comente com o WordPress

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Talita Santana fevereiro 8, 2017

    Ei Ju!
    Estava olhando os pots do blog, e me deparei com esse *-*
    Na época que fui assistir ”Simplesmente acontece”, também fui sozinha. Foi em uma dia que não tinha absolutamente nada para fazer, e resolvi ir ao cinema. Assisti ”Teoria de Tudo” e depois ele, haha. Lembro-me como se fosse ontem: estava com muita vontade de cinema e fui.

    Assim como você, também não havia lido o livro, porém fui sem expectativa alguma, e me apaixonei. Já vi vários amigos falando mal do filme, mas nossa! Um dos meus queridinhos *o*

    Beijos, Talita!

    • Ju Cirqueira fevereiro 9, 2017

      Ahhhh! Oi! <3
      Preciso escrever mais posts assim aqui no blog, ando deixando o blog muito paradinho, infelizmente 🙁
      Amei a Teoria de Tudo, achei lindo! Mas assisti em casa! Depois desse dia já fui mais algumas vezes ao cinema sozinha e adoro! hehe
      E também adoro o filme até hoje, haha. <3
      Beijos!

  • Talita Beccalli março 20, 2015

    Eu quero muuuuuuuito ver esse filme, ao mesmo tempo que realmente não quero. Ainda não li o livro, e não consigo animar para começar :/ Pensei em ver o filme e assim ficar curiosa e acabar lendo ele, mas também não quero ver o filme antes de ler. </3
    Eu acho que certos livros não deviam ter seus título originais traduzidos, como Hopeless (Um Caso Perdido), porque podem perder o sentido que a autora deu e traduzidos não fica a mesma coisa (Hopeless e Losing Hope perdeu o significado importante do nome e isso é chato). Algumas traduções você entende, mas outras que não dá pra entender de onde surgiu, tipo Simplesmente acontece. Por que não traduzir crua e exatamente o que o autor escolheu como título se precisa traduzir?
    ”Onde Terminam os Arco-íris” fazia sentido, já que inicialmente o romance foi publicado como "Where Rainbows End". Admito que "Simplesmente Acontece" é um título melhor do que o anterior, porém "Com amor, Rosie" seria o ideal (se é pra traduzir façamos corretamente).
    Agora repito sua fala: o que há com esses cinemas que só oferecem dublado? Fui ver O Destino de Jupiter dublado só porque não tinha outra opção, e alguns dubladores simplesmente não encaixaram com o personagem. Os cinemas agora priorizam dublagem e está ficando difícil achar determinados filmes legendados.

    Agora chega de falar :3

    Beijos

    • Juliana Cirqueira março 21, 2015

      Oi Tata-garela! 😛
      Cara, você está em um dilema, hein? HUEHUE que isso!
      Olha só, primeiramente você tem que se decidir se você REALMENTE vai ler o livro.
      Se sim, então deixe pra ver o filme depois, já que você faz tanta questão de ler antes de assistir.
      Se você não for ler o livro tão cedo… assista logo o filme! 🙂 Pronto! HUEHUE
      Concordo com tudinho que você comentou sobre a tradução, ainda mais que estou trabalhando com isso agora também e vejo muita coisa que me incomoda em outras traduções, dublagens e legendagens.
      E os cinemas deviam parar de querer “emburrecer” as pessoas passando só filme dublado! Poxa vida.
      Quer dizer que, se nem todo mundo souber ler, vão parar de escrever e publicar livros no mundo? Assim vão acabar extinguindo a literatura também… o caminho não é vetar as coisas que tem pouco público, em especial as culturais, e sim viabilizar AINDA MAIS, assim as pessoas vão correr atrás de acompanhar o progresso e se intelectualizar. A gente sabe que não é só isso, que isso não “muda” muita coisa pois escolarização e formação é outro assunto e depende de outras coisas bem mais complexas no Brasil, porém há de se haver tanto filmes legendados quanto dublados, não entendo porque simplesmente não podem haver os dois, já que existem os dois públicos. Enfim, também acabei falando demais, rs.

      Beijão!

      • Talita Beccalli março 23, 2015

        “Tata-galera” HAHAHAHAHAHAH Eu ri muito disso.
        Concordo com você, e, pensando bem não lerei tão cedo o livro, então acho que verei o filme primeiro 😀 Muito livro pra ler que já tenho aqui (incluindo Eleanor e Park, que devo ler antes de encontrar com a pessoa que me deu de aniversário ou ela puxará minha orelha :p ) e deixarei ele para uma outra hora quando eu priorizar a compra dele.
        Eu não consigo entender as pessoas que só veem se for dublado porque dizem não conseguir acompanhar legenda e imagem. Sou tão acostumada que não vejo o menos problema. E considerando a baixa qualidade em dublagens daqui é melhor pararem de só lançarem dublados.

        Bjão 😉

        • Juliana Cirqueira março 23, 2015

          Assista mesmo, para de bobeira! haha
          As pessoas sempre me vem com essa mesma desculpa de não conseguir ler e assistir, eu fico pensando “como assim gente??”

          Beijos Tata.

          • Talita Beccalli março 24, 2015

            Gosto de ler antes para comparar, fazer o que. hahahahah
            Pequena observação: Apenas hoje fui terminar “A Batalha do Apocalipse”

            Beijos Ju 😉

  • Karina Marques março 20, 2015

    Oi Ju!
    Então, sou sua leitora tem pouco tempo e sou daquelas que lê/assiste e não comenta. Preciso melhorar isso porque também sou blogueira.
    Adorei seu post e quero dizer que ele mudou algo em mim. Pode não parecer, mas foi profundo!! Eu sempre fui muito independente, mas de uns anos pra cá, o fato de não ter alguém para me acompanhar me fez não aproveitar a vida sozinha!! Meus olhos foram abertos, rs. Tenho 21 anos e preciso aproveitar as pequenas coisas, mesmo que seja sozinha. Obrigada, obrigada!! 🙂 A partir de hoje vou voltar a aproveitar meus momentos “sozinha”.
    Beijos!

    • Juliana Cirqueira março 21, 2015

      Oi Karina!
      Sério? Poxa! Mas fico feliz que tenha finalmente vindo aqui se dar ao trabalho de falar comigo, hehe. Obrigada !<3

      Olha que coisa legal, que bom saber que minhas palavras serviram de alguma coisa, ganhei o dia! 🙂
      Aproveita bem e aproveite enquanto você ainda tem tempo livro e disposição, mesmo que seja sozinha!
      Imagina, não precisa agradecer, hahaha. Beijo grande procê! <3

  • Renata março 20, 2015

    Ih, pra mim sem neura…todo mundo fala….mas se eu quero ver e ninguém mais quer, fazer o quê? Eu não vou? É ruim hein…..vou e pronto. Desde a adolescência, comigo não tem nada demais. E já teve vezes que eu até encontrei algum conhecido no cimema…
    bjs

    • Juliana Cirqueira março 21, 2015

      Hahahaha concordo muito contigo, é exatamente o que eu penso. 🙂
      Vira e mexe também encontro com algum conhecido na bilheteria hehehe.

      Beijão.

  • Márcia Hahn de Paula março 19, 2015

    Ei, Ju! Brigaduuuuu por ter passado por esta experiência em benefício de nós suas leitoras e fãs! Gostei demais do modo como você colocou o fato de ir ou não ao cinema pelo simples fato de se estar sozinha. Para ser sincera, eu nunca fui a cinema sozinha. E para te dizer mais ainda, eu quase não vou ao cinema, assisto a todos filmes via TV a cabo. Sou uma devoradora de filmes. Assisto a tudo que passa, não importa se é desenho animado, romance, investigativo, etc. (com exceção de terror, que detesto). Desculpe ter feito isto com você, mas mesmo assim agradeço sua iniciativa. Gostei de sua narração do filme. Se conseguir uma companhia irei ver ( sem ser dublado). Mais uma vez, obrigado, e mil beijocas! Márcia

    • Juliana Cirqueira março 20, 2015

      Oi Márcia!
      Adoro receber seus comentários, hehe. 🙂
      Eu não costumava ir tanto sozinha quando mais nova, agora sempre que tenho um tempo livre eu paro no cinema antes de vir pra casa ou vou sozinha lanchar ou passear, adoro. <3
      Também assisto praticamente todo tipo de filme, haha. E assisto muitos filmes em casa também!

      Obrigada pelo carinho e comentário!
      Grande beijo! ♥

  • Adriana março 19, 2015

    Boa tarde Ju!!! Como não sou casada e nem tenho namorado acabo saindo sozinha na maioria das vezes, apesar de ainda não ter ido ao cinema sozinha, mas fast-food, tomar sorvete ou qualquer outra coisa, comigo não tem tempo ruim, faço isso justamente porque quero ter momentos apenas pra mim, pensar na vida e, na maioria, saio sozinha pra ver as pessoas na rua, assim consigo ver como as pessoas são diferentes. Acho bem gostoso!!!
    Beijos e adoro o teu trabalho, cada dia melhor!!!!!

    • Juliana Cirqueira março 20, 2015

      Oi Adriana! Boa noite, agora. 🙂
      Entendo e admiro muito sua postura!

      Muito obrigada pelo carinho!
      ♥ ♥ ♥

  • Vanessa Quirino março 19, 2015

    Me identifiquei demais com você!Nunca deixei de fazer nada por que não tinha companhia, já fui no cinema sozinha, tomo sorvete,vou as compras.Você tem que primeiro ser feliz sozinha para assim ser feliz com alguém!Sou casada já faz mais de 6 anos, e sempre respeitei a individualidade do meu esposo também,ele vai jogar bola,ele tem os amigos dele… Você tem que fazer a pessoa lembrar dia-a-dia, os motivos que a fizeram escolher você.Vejo muitos relacionamentos terminarem pelo simples fato das pessoas não darem espaço ao outro, vivendo apenas para sufocar os seus parceiros. Se ame primeiro,seja sempre a sua melhor companhia, e a vida te presenteará com pessoas que realmente amam estar você. Beijos Juliana.

    • Vanessa Quirino março 19, 2015

      Ah e sobre o filme com certeza vou assistir,fiquei encantada pelo trailer!!!E as críticas até agora pelo que andei lendo só tem elogios, a química dos atores principais é sempre a mais falada. <3

      • Juliana Cirqueira março 20, 2015

        Oi Vanessa!
        Adorei seu comentário! haha.

        Eu também concordo muito contigo com essa visão de individualismo, também praticamos isso aqui em casa, por incrível que pareça faz muito bem ao casal mesmo, é bom ter uma vida individual e uma vida em conjunto, é bom ter assunto, ter outras companhias também e dar espaço para o outro também fazer isso, afinal, eu não vou sair pra jogar bola ou “tomar uma” com meu marido né? (tem até gente que sai com o marido pra tomar uma, mas como eu não bebo nem isso dá, rs). Enfim, tem coisas e situações em que o “casal” em si não cabe perfeitamente, onde é importante ter amigos, ter tempo e espaço pra si próprio. E eu gosto disso, faz um bem danado mesmo. 🙂 Também vejo muitos relacionamentos terminarem porque sem perceber os casais se sufocam e depois de algum tempo já não conseguem mais conviver.

        Adorei te ver por aqui, assine a newsletter para não perder os posts novos!
        E assista o filme mesmo pra depois comentar comigo!

        Beijos! ♥

  • Andreia março 19, 2015

    Olá! Concordo contigo! Não devemos deixar de fazer nada por falta de companhia. Eu faço vários programas sozinha e são ótimos. Também gostei do filme. Bjs

    • Juliana Cirqueira março 19, 2015

      Oi Andreia,
      Que bom que gostou do texto e concorda com a ideia! 🙂
      Obrigada pela visita.

      Beijão.

  • Thays Oliveira março 19, 2015

    Concordo super com você Jú!!!
    Eu estou tirando minha carteira de habilitação e já fiz umas listinha dos lugares que quero ir sozinha. Na livraria, cinema e comer sushi é uma delas! As vezes é legal pra pensar na vida e caso não tenha companhia! Agora em diante vi muitos filmes bobs que vão sair no cinema, quero assitir vários e Simplesmente Acontece é um deles!!
    Adoro seu blog,
    Beijos

    • Juliana Cirqueira março 19, 2015

      Oi Thays!
      Hehehe que legal.
      Uau, boa sorte com a habilitação, eu simplesmente amo dirigir, não fico sem! <3
      Muito legais seus planos, espero que consiga alcançar! 😀

      Obrigada! <3
      Beijos!